28 de abril de 2014

A primeira prancha

Aí está, a primeira prancha do Diogo. Decidi, com alguma antecipação é certo, mandar fazer uma prancha para o Diogo.
Não sei sequer se algum dia vai querer experimentá-la (pelo menos por curiosidade, acho que sim), se vai gostar ou não, se vai querer continuar ou não. Pouco interessa. A última palavra será dele. Não é minha intenção querer força-lo a fazer surf ou qualquer outro desporto de ondas, mas é minha intenção (e não tenho qualquer problema em admiti-lo) tentar influenciá-lo para que isso aconteça. São quase 25 anos ligado às ondas e passado todos estes anos, tenho muita legitimidade para opinar sobre a influência que isso teve em mim. Na adolescência, um período potencialmente perigoso nas escolhas que fazemos, foi quando me foquei seriamente em tudo o que era surf / bodyboard, e tenho a certeza de que isso me desviou de outros caminhos pelos quais vi amigos meus optarem. Sabia na altura, que qualquer comportamento menos correcto da minha parte seria punido, pelos meus pais, com a inibição de poder ir à praia durante o fim de semana, e se as ondas estivessem boas isso seria equivalente a uma tortura... Durante a semana a minha cabeça mantinha-se nas ondas, estava focado para ali e isso desviava a minha atenção de comportamentos que me colocariam em problemas. Foi o melhor que me podia ter acontecido. Mais tarde, na "casa dos vintes", veio mais um lado positivo. A estudar e a trabalhar aos fins de semana e períodos de férias escolares, comecei a juntar o meu dinheiro e a viajar, lá está, por causa das ondas. E foi pelas ondas que conheci grande parte do mundo. Viajei para longe, às vezes muito longe mesmo, sempre com o objectivo das ondas. Isso fez-me bem. Comprava um bilhete de avião somente, e depois desenrascava-me. Cresci com isso. É este o tipo de influência que gostaria que o surf viesse a ter no Diogo e, se acontecer, sei que o Diogo vai ser feliz.

Agora a prancha: feita por encomenda ao talentoso João Brilhante. Um bloco de esferovite, trabalhado manualmente, reforçado por dentro, com stringers, e por fora, com nylon e tinta epoxy. Uma prancha de aprendizagem, feita por quem sabe o que faz. Já o fiz pessoalmente mas aproveito aqui também, por escrito, para agradecer ao João o empenho que colocou na realização da prancha.



























17 de abril de 2014

Regresso ao futuro

Estas fotografias não foram tiradas por mim. Já têm cerca de duas semanas e só hoje as vi. E gostei. Muito. O objetivo primeiro desta "caixa de fotografias", de nome "Daddy Cool", é a recordação e não tanto a qualidade das fotografias publicadas, e estas no que respeita a uma recordação futura, são das melhores aqui apresentadas. Os primos com cerca de mês e meio de diferença, que vivem afastados e pouco contacto têm, aqui num abraço terno como dois grandes amigos. Ou dois grandes primos. Acredito que daqui a uns anos estas fotografias serão ainda mais valorizadas. No futuro regressaremos todos aqui para revê-las em conjunto. Aqui ficarão, guardadas até lá.




10 de abril de 2014

Pingo Doce Rules!!

A propósito deste post (09 Março 2014), recebi hoje, um simpático email do serviço de apoio ao cliente Pingo Doce. Pensava eu que, uma marca pertencente ao grupo Jerónimo Martins, não olharia duas vezes para aquele link do Daddy Cool, onde se fez referencia a produtos Pingo Doce (iogurtes, especificamente) e onde, em tom de brincadeira, referi que se por acaso alguém de responsabilidade lesse aquela publicação e quisesse enviar produtos da marca para o Diogo, nós aqui por casa, agradecíamos. Bom, e foi isso mesmo que aconteceu. Responderam à publicação e informaram que estaria um responsável à minha espera, na loja mais próxima que vende produtos Pingo Doce, com uma oferta de iogurtes para o Diogo. 
Na verdade, o meu grande espanto reside no facto de, nos dias que correm, num mundo tão capitalista e virado somente para o lucro, uma empresa com esta dimensão tenha "perdido" um pouquinho do seu tempo, para fazer uma atenção destas. Podem até dizer, "isso para uma empresa assim não é nada!!" Pois não, não é nada. Mas é alguma coisa. E revela alguma preocupação em chegar ao cliente e em mantê-lo. E podem ainda dizer, "o que eles querem é que tu continues a comprar produtos deles!!" Pois querem, claro que querem. E se já comprava antes, seguramente que agora, e enquanto continuar satisfeito, continuarei a comprar. 
Um agradecimento final à marca Pingo Doce e mais especificamente à Carla Elias, do Serviço de Apoio ao Cliente, pelo simpático email que enviou.
Abaixo ficam as fotos do lanche de hoje, já com os iogurtes do pack de oferta :)


















6 de abril de 2014

entre a chuva e o vento


Esta não foi uma semana propicia para a fotografia. Foi pena. Tinha sido uma boa oportunidade para fotografar o Diogo e a Maria, juntos, nas paisagens da ilha. Entre chuva e vento, só se conseguiu fotografar duas vezes. Outras oportunidades virão.